terça-feira, 11 de novembro de 2008

OBAMA MUDARÁ OS EUA??

Zero Hora de domingo

UMA NOVA ERA
Informação extra para o consumidor

Durante a campanha, o democrata criticou a irresponsabilidade dos operadores do mercado financeiro, mas não deu pistas se pretende impor regras mais rígidas na atuação dos bancos americnos. Este tema não consta no seu plano de governo – talvez porque Obama tem consciência do impacto que uma declaração fora do lugar poderia causar nas bolsas do mundo na atual turbulência.Mas o programa detalha como o futuro presidente pretende atacar o problema na outra ponta. Obama propõe novas leis que explicitem o risco de financiamentos hipotecários e gastos com cartões de crédito. O democrata quer dar mais informação para uma população afundada em dívidas. Com mais consciência dos riscos de endividamento, ele espera que os americanos evitem bolhas de consumo como a que levou à atual crise e a conseqüente falência de famílias. Para as empresas de hipoteca, o plano prevê mais prestação de contas. Uma proposta de lei também prevê fim de juros e encargos financeiros em algumas operações de cartões de crédito.Na opinião de Luciano Timm, presidente da Associação Brasileira de Direito e Economia, é pouco provável que Obama traga propostas radicais neste campo. Os EUA têm a tradição de manter as regras do jogo, permitindo poucos ajustes ao sistema.– O país se protege de grandes rompantes individuais. Certos consensos não estão em discussão – diz Timm.

Comentários - os histéricos como dito pelo Cristiano acham que o Obama é um chaves, um Tche Guevara do Norte, só porque é negro. Aliás, revela um certo racismo, como se para ser negro precisasse ter "consciência social" (seja lá o que isso signifique). Na verdade, Obama não vem nem Africa, nem dos sindicatos, nem é semi analfabeto. É formado em Ciência Política por Columbia e em Direito em Harvard. Lá ele aprendeu contratos e propriedade como campo do direito privado. Não hesitará em colocar os interesses dos EUA em primeiro lugar. Tudo que vi dele (e olha que passei quase um ano ouvindo os debates porque estava por lá e queria treinar meu inglês) ofende a economia de mercado. Mesmo na área de direito do consumidor, ele quer mais informações, mas o objetivo é de corrigir assimetrias e não de reformar o sistema. Não será agora que os EUA colocarão por terra suas contribuições para o mundo: democracia política associada à economia de mercado. O resto é discurso para ganhar eleição e lotar parques europeus e latino-americanos. E aliás não me recordo de ter visto alguém com melhor retórica que esse tal Obama.

Ahhh, nada como o método socrático das faculdades de direito dos EUA...

Nada de aula expositiva!

Os alunos são interrogados sobre o caso pelo professor e devem come up with something.

Enquanto isso temos que aguentar metáforas de futebol...e retóricas com forte propensão a se tornarem realidade num país que, como diz José Reinaldo, sequer chegou um dia a ser liberal...

Nenhum comentário: