domingo, 24 de agosto de 2008

OLIMPIADAS

Ser o país do futebol, significa que as chances de ascenção social para crianças pobres no Brasil não vem (com exceção talvez do volei) de esportes olímpicos.

Em entrevista concedida pelo velocista jamaicano Boldt, dizia ele que o atletismo é o esporte nacional na Jamaica. É este o caminho da saída da pobreza.

Uma Keniana (se não me engano) se dizia preocupada porque antigamente as crianças corriam 4-5 kilometros por dia para chegar a escola. Hoje em dia o transporte escolar e a proximidade das escolas está terminando com aquela "tradição". Ela chegou a dizer que isso matará o atletismo do Kenia.

Quantos jovens saem da pobreza no Brasil devido ao futebol...existem pelo menos 3 campeonatos (série A, B, C).

Será que vale investir maciçamente em esportes sem um mercado que se sustente, sendo a opção pelo futebol a que tem mais chance de tirar os jovens da pobreza...

Não seria melhor investir em educação...

Alguém precisa fazer a conta de quanto o Brasil vem investindo em levar delegações e quanto resultado vem trazendo...ok, se não me engano ele foi o melhor da américa latina, confirmando o que ocorrera no PAN...mas quanto mais investiu...

Bom, a certeza que tenho ao ver olimpíadas é que os únicos que acreditam que o "importante é competir" (e não vencer), são alguns dos atletas brasileiros.

Vários dão entrevistas ao final da prova em que foram desclassificados dizendo, o importante foi que marcamos presença, estivemos aqui, como foi difícil chegar lá...

Mas será que foi fácil para os chineses, jamaicanos, kenianos, etc...

E a India...a impressão que tenho é que a India não investiu nada em esporte...

2 comentários:

Fábio M. Ostermann disse...

Caro Luciano,

O que enche o saco é ter que agüentar, após cada nova decepção esportiva, aquela velha ladainha de que "o esporte brasileiro precisa de incentivos". A seleção de futebol feminino é um caso emblemático - e que conta com total apoio de todos os canais de TV.

Será que é tão difícil de entender que talvez as pessoas não queira assistir a jogos de futebol feminino??! E que talvez a falta de "incentivo" (leia-se $$$) seja reflexo da falta de interesse do mercado por esse esporte??!

No mais, sugiro a leitura desta reportagem:

Cada medalha olímpica brasileira custou R$ 50 milhões

http://contasabertas.uol.com.br/noticias/detalhes_noticias.asp?auto=2358

Abraço,
Fábio

Luciano Timm disse...

Vou dar uma lida...obrigado...

De qualquer forma, será que comparativamente os ginastas brasileiros tiveram menos apoio que outros que foram melhor.

Além disso, acho que quando o brasileiro entra em quadra em esportes que está consagrado entra com mais confiança...em outros entra derrotado...

Quem sabe não investir apenas no que temos tradição: judo, vela, volei, natação e talvez atletismo.

Mas ainda acho que bons corredores podem ser "capturados" pelo futebol.