sábado, 16 de agosto de 2008

MICRO DO DESENVOLVIMENTO

Outra agenda para a economia

Por Sergio Lamucci, de São PauloVALOR - 15/08/2008

Ana Paula Paiva/Valor

Ricardo Madeira, interessado em microeconomia do desenvolvimento: O diagnóstico de que a qualidade da educação no Brasil é um dos entraves ao crescimento torna o assunto atraente para os economistas


Passados 14 anos do lançamento do Plano Real, a agenda econômica brasileira mudou. A discussão não se concentra mais nas estratégias para derrotar a superinflação ou na superação de crises constantes do balanço de pagamentos, que atormentaram o país no fim dos anos 1990 e começo dos anos 2000. Hoje, a pauta do crescimento e do desenvolvimento de longo prazo ganha espaço, o que se reflete nas áreas de estudo dos economistas brasileiros que concluíram o doutorado há pouco ou estão em vias de concluí-lo.

Assuntos como desigualdade, educação, distribuição de renda, psicologia aplicada à economia e importância das instituições aparecem com destaque, figurando ao lado de outros, como política monetária, teoria macroeconômica e macroeconomia do desenvolvimento. A diversidade de temas também se deve, claro, à própria expansão da "área de atuação" da disciplina em todos os lugares do mundo, como nota Flávio Cunha, professor assistente da Universidade da Pensilvânia.

Uma característica importante dessa nova geração é a forte preocupação em emplacar artigos em publicações acadêmicas - o "publish or perish" (publique ou pereça) que impera nos Estados Unidos faz parte da realidade de muitos economistas brasileiros. Também se tornou comum, inclusive entre os heterodoxos, o uso freqüente da formalização matemática, em parte como conseqüência da própria necessidade de divulgar trabalhos em publicações especializadas nacionais e internacionais. Nesse cenário, o nível de especialização é bastante elevado. Ganha-se em profundidade, mas há quem acredite que se perca um pouco em amplitude de análise.


Comentários: esse reflexo ainda não se fez sentir nas faculdades de Direito no Brasil, cada vez mais focadas em questões "macro" e sobretudo longe da discussão sobre desenvolvimento. A discussão toda é sobre redistribuição, "justiça social", Estado Democrático de Direito...

Nenhum comentário: